Mercado B2B

Manufatura descentralizada: saiba mais sobre essa nova técnica de fabricação

O avanço da tecnologia, a necessidade de reduzir os níveis de estoque e a terceirização como resultado da demanda por mais especialização das empresas são alguns dos aspectos que vão transformando a forma como a indústria é gerida. Com isso, surgiu a chamada manufatura descentralizada.

Elaboramos este post para explicar do que se trata esse conceito, como funciona, quais são os benefícios que traz para as organizações e de que forma impacta o mercado. Ficou interessado? Então continue a leitura!

O que é e como funciona a manufatura descentralizada?

O conceito da manufatura descentralizada muda totalmente a ideia que as pessoas têm sobre o funcionamento da fabricação de produtos hoje em dia. Nesse modelo, em vez de as empresas estocarem todos os insumos necessários para a fabricação de um item, elas distribuem a produção de partes entre vários fornecedores.

Dessa forma, os produtos finais são montados bem mais perto de onde o consumidor está localizado ou, em alguns casos, a etapa acaba sendo feita por ele mesmo.

A manufatura descentralizada e o Just in Time

Com a descentralização de vários processos produtivos, a tendência é que as empresas apostem cada vez mais na proximidade com seus fornecedores e no modelo de Just in Time (JIT). Consequentemente, no trabalho com estoque mínimo ou mesmo zero.

Um bom exemplo de como isso já funciona na prática é o da Fiat. A montadora italiana trouxe seus fornecedores para mais perto, garantindo uma estratégia de JIT muito eficiente. Seu trabalho, por sua vez, fica com a montagem dos veículos e o posterior envio para as concessionárias, deixando o título de fabricante de lado.

Além da Fiat, outras empresas que também já adotaram essa estratégia são:

  • Samsung;
  • Alcatel;
  • Electronic Arts;
  • Microsoft.

Os cuidados que devem ser tomados

Essa estratégia também descentraliza a gestão, o que faz com que as empresas tenham menos poder de decisão e de definição no que se refere a algumas ações que precisam ser adotadas. Em alguns modelos de negócio, isso pode ser inviável.

Portanto, é preciso apostar em fornecedores que tenham uma visão parecida, além de investir na sinergia para que todos os envolvidos estejam cientes dos objetivos e atuem em conjunto para alcançá-los.

A ideia é realmente pensar em uma parceria, estabelecida dentro de uma relação de ganha-ganha, na qual a indústria e seus provedores sempre buscam soluções em conjunto para otimizar os processos e os resultados. Cria-se, assim, uma cadeia de valor que oferece o que há de melhor no mercado para os clientes, incluindo o consumidor final, que percebe a qualidade empregada na fabricação.

Que vantagens a aplicação desse modelo proporciona às indústrias?

Como é de se imaginar, a manufatura descentralizada proporciona diversos benefícios para as organizações. Conheça os principais!

Foco no core business

Com a falta de centralização de vários processos produtivos, que passam a ser geridos diretamente pelos fornecedores, as empresas podem focar mais na sua atividade-fim, passando a oferecer também um atendimento diferenciado a seus clientes.

Diminuição dos níveis de estoque

A descentralização da produção gera uma redução dos níveis de estoque. Isso quer dizer que deixa de haver necessidade de manter diversos itens no armazém, uma vez que os fornecedores passam a ser responsáveis por eles.

Isso ainda contribui para a melhoria do fluxo de caixa, uma vez que produtos parados comprometem a liquidez e são sinônimo de dinheiro acumulado sem retorno no curto prazo.

Redução de desperdícios

Os recursos passam a ser utilizados de forma mais consciente, reduzindo os desperdícios que podem ser causados pelo excesso de estoque ou por falhas produtivas. Como consequência, diminui também o impacto ambiental que isso gera.

Economia de recursos

Aliada ao JIT, tornando os fornecedores mais próximos, a manufatura descentralizada contribui para a redução dos custos com o transporte. Com um frete mais rápido e com menores distâncias a percorrer, a tendência é que esses gastos operacionais diminuam consideravelmente, gerando economia.

Também vale a pena citar a diminuição das despesas com prototipagem, uma vez que elas passam a ser de responsabilidade dos parceiros que desejam integrar a cadeia produtiva.

Ganho de vantagem competitiva

A elevação do nível de especialização e o aumento da eficiência nos processos contribui para que as organizações conquistem uma maior vantagem competitiva. A proximidade entre os parceiros de negócio faz com que todos passem a competir como um grupo sólido em vez de atuarem como unidades.

Quais são os impactos dessa forma de produção para o mercado?

A expectativa é a de que as organizações aumentem a eficiência dos processos produtivos e do uso dos recursos. Mas há outros impactos para o mercado que podemos citar. Conheça alguns deles a seguir!

Diversificação de produtos

Com a diminuição da produção em massa, concentrada nas mãos dos fornecedores e em um modelo de produção puxada, os fornecedores podem ser encorajados a diversificar os produtos e aumentar o mix oferecido ao mercado.

Compartilhamento de informações

A descentralização demanda um nível muito alto de compartilhamento de informações. Afinal, a integração entre empresas e seus parceiros é essencial para que a estratégia seja bem-sucedida e proporcione os resultados esperados.

Isso também envolve a confiança que deve existir na cadeia produtiva, já que um pequeno atraso pode gerar um efeito chicote, prejudicando os resultados lá na outra ponta.

Parcerias mais próximas

Como dissemos, a tendência é de que as indústrias tragam seus fornecedores mais para perto, otimizando os processos, reduzindo o tempo de recebimento dos produtos e otimizando toda a cadeia de suprimentos.

A manufatura descentralizada tem um enorme potencial para alterar a forma como as relações comerciais se dão, bem como a maneira como o mercado se comporta. Mas atenção: essa estratégia pode apresentar riscos, além de ser necessário lembrar que os modelos tradicionais (cadeias produtivas) ainda são muito necessários para determinados tipos de produtos — principalmente quando se trata de bens de consumo mais relevantes.

E então, o que achou do nosso post? Quer saber o que é a disrupção na gestão industrial e como sua empresa pode se preparar para esse momento? Então não deixe de conferir este outro material!

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em:Mercado B2B

×
0 %