Lubrificação

Lubrificantes especiais: qual sua relação com a eficiência energética?

A importância e os benefícios do lubrificante para a indústria são inegáveis. E são muitas as pessoas que já têm plena consciência disso. Mas e os lubrificantes especiais? O que são exatamente e qual a relação que eles têm com o ganho de eficiência energética nas empresas?

Elaboramos este post justamente para explicar em que consistem, quais são suas principais características e como se dá essa relação que torna as operações mais eficientes. Continue a leitura para saber mais sobre o assunto!

Quais são as principais aplicações dos lubrificantes na indústria?

Certas aplicações dos lubrificantes são consideradas primárias ou principais. No caso, estamos falando de:

  • controle de atrito;
  • controle do desgaste;
  • controle da temperatura;
  • controle da ferrugem e corrosão.

Já como funções secundárias, que também são muito importantes para o bom funcionamento das máquinas, temos:

  • a transmissão de força;
  • a vedação;
  • a remoção de contaminantes;
  • o amortecimento de choques.

O que exatamente são esses lubrificantes especiais?

Os lubrificantes especiais podem ser definidos como o resultado da busca por uma fórmula especialmente desenvolvida para atender a necessidades específicas. Eles trabalham com um óleo básico sintético, que advém de um processo químico mais elaborado, garantindo maior estabilidade operacional do que o lubrificante mineral.

Podemos afirmar que os lubrificantes especiais têm uma maior estabilidade térmica ao longo do tempo, mais resistência à oxidação, aspecto de fluidez melhor, além de apresentar maior flexibilidade de aplicações.

Essa é a diferença principal, a base para a caracterização do lubrificante especial, mas não é somente isso.

Além de precisar ter óleo básico sintético para ser definido como lubrificante especial, também é preciso haver um pacote de aditivos (premium ou únicos) e uma característica de aplicação diferente dos produtos padrão de mercado.

Na maioria das vezes em que há uso de lubrificante especial, observa-se maior durabilidade, gerando mais eficiência e melhorando a performance operacional, visto que as máquinas e os equipamentos produzem melhor.

Qual a relação entre os lubrificantes especiais e a eficiência energética?

Hoje em dia, a grande motivação de toda a elaboração e inovação de lubrificantes (seja qual for a aplicação) é a eficiência energética. Isso se dá por vários motivos, mas principalmente por 2:

  1. o custo dos insumos: já que tanto combustíveis fósseis, como gasolina, e diesel, quanto a energia elétrica estão cada dia mais caros, quanto mais economia nesses aspectos melhor;
  2. o fator ambiental: cada vez mais em foco pela urgência do tema.

É preciso ter tais economias para conseguir atender a essa demanda mundial. Nesse sentido, o destaque em inovação de lubrificante é sempre trazer a economia de energia, que vem por meio de 2 soluções: a viscosidade dos óleos e a aditivação.

A viscosidade dos óleos

Quanto menos viscoso o lubrificante é, melhor é sua eficiência energética. 15W40, por exemplo, é menos eficiente energeticamente que 10W40, porque o 10 é menos viscoso. Quanto menores são os números dessas siglas, menor é o filme protetor entre uma peça e outra, fazendo com que a máquina trabalhe mais fácil e de forma mais livre.

Para conseguir filmes que garantam proteção, deve haver óleo básico sintético de excelência e inúmeros testes de campo, por exemplo. Tudo isso para garantir que o filme protetor não vai romper.

Gestão de Documentos na indústria 4.0

Imagine uma lâmina de lubrificante sobre uma placa de aço. Ela é o que chamamos de filme protetor. Enquanto a mais espessa é mais difícil romper, a mais fina está mais suscetível à ruptura.

Contudo, para garantir a performance, é necessário se certificar de que não há qualquer rompimento. Aliada a essa resistência, a redução da viscosidade é um dos principais braços que a indústria de lubrificantes está trazendo para a economia de energia.

A aditivação

Há compostos químicos que ajudam a reduzir o coeficiente de fricção, que é a essência da redução energética. Quanto mais fácil o equipamento trabalha, menor é o consumo da fonte energética para fazer o mesmo trabalho, seja a fonte qual for — diesel, combustível, gasolina, energia elétrica.

Hoje, a PETRONAS conta com alguns pacotes de aditivos nos quais a composição química é 100% feita para obter redução de fricção e, obviamente, redução de consumo de energia.

Como se dá a economia que leva à eficiência?

Não existe uma regra certa quando se fala de economia. Há diferentes tipos de produtos para diferentes tipos de aplicações. O nível de economia pode, portanto, variar. Em linhas gerais, porém, podemos dizer que há produtos que conseguem reduzir de 4% a 8% do consumo de energia.

Temos o Energy Saving Fluid, basicamente um lubrificante hidráulico, que tem uma característica de economia de energia que chega a 8%, devidamente comprovada em testes de bancada.

Trata-se de uma composição de óleo básico exclusivamente sintético que tem uma viscosidade melhor e pacotes aditivos 100% focados nisso. Podemos dizer, assim, que há produtos de mercado que têm características voltadas para a economia de energia.

Qual o investimento necessário para os lubrificantes especiais? O custo-benefício é bom?

A princípio, o investimento inicial nos lubrificantes especiais é um pouco maior que o demandado pelo produto convencional, apesar de se tratar de uma diferença pequena. Entretanto, o resultado disso é uma economia de energia considerável, que, além de gerar redução dos custos, ainda proporciona ganhos para a empresa.

O segredo por trás dos lubrificantes de economia energética é que, por natureza, eles são mais caros quando comparado o preço por litro, mas muito mais baratos quando se analisa o Total Cost of Ownership (TCO).

Principalmente no cenário brasileiro, em que o custo da gasolina e o custo de energia elétrica estão muito caros, isso é especialmente importante. Quando você já tem um percentual pequeno de economia de insumos, o resultado é bastante compensatório.

Como você pôde ver, esses produtos já são desenvolvidos com o objetivo de trazer ganhos com base em uma necessidade. Quando consideramos que insumos energéticos são muito caros, qualquer economia operacional gera um ganho considerável.

Assim, ao olhar apenas para o custo por litro dos lubrificantes especiais, pode-se acreditar que no curto prazo o resultado virá em forma de custo adicional. No entanto, com os benefícios que eles trazem para o aproveitamento dos recursos, além da redução dos dispêndios, podemos dizer que a relação custo-benefício é altamente compensatória.

O que achou dos ganhos que esses produtos podem trazer para seu negócio? Quer saber melhor como funciona todo o processo? Entre em contato conosco, fale com um de nossos especialistas e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto!

Você também vai gostar

3 Comentários

  1. Um texto esclarecedor num nível bom para aqueles que não tem experiência. Parabéns. É assim que se deve explicar as coisas! Parabéns mais uma vez!

    1. Obrigado pelo interesse!

  2. Procurei muito sobre automação industrial, finalmente encontrei a informação que precisava, muito obrigada!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %