Plano manutenção preventiva: como fazer de forma eficiente?

7 minutos para ler

Um bom plano manutenção preventiva é capaz de gerar economia de custos e tornar o trabalho mais eficiente.

Quando esse documento é bem-feito, é possível obter melhor performance na execução das rotinas preventivas. No entanto, elaborá-lo requer bastante atenção, além de uma série de fatores que devem ser analisados.

Para ajudá-lo a fazer um bom plano de manutenção preventiva, separamos quais os principais aspectos que devem ser considerados durante o seu desenvolvimento, além de dicas para torná-lo mais eficaz. Portanto, não deixe de conferir!

O que é um plano de manutenção preventiva?

Um plano de manutenção preventiva compreende toda ação de controle e monitoramento com o objetivo de reduzir ou impedir falhas de um ou mais equipamentos. Quanto melhor for ele, menores serão as paradas imprevistas por ineficiências ou quebras do maquinário.

Um exemplo pode ser encontrado no manual de um carro, em que o plano de manutenção orienta o proprietário para, entre outras coisas, checar o nível de óleo lubrificante e executar as trocas conforme os prazos informados no documento.

Esse tipo de plano geralmente é elaborado em formato de roteiro, contendo as etapas e o passo a passo do que deve ser feito.

Dessa forma, serve de suporte para que os profissionais envolvidos com a manutenção consigam executar as tarefas necessárias de modo seguro, padronizado e com elevado índice de qualidade.

Em um bom plano de manutenção preventiva encontram-se especificadas as informações que instruem de maneira intuitiva os profissionais de manutenção, servindo de base para uma tomada de decisões rápida e mais acertada.

Vale lembrar que um planejamento de ações adequado é diretamente responsável pela diminuição de custos de manutenção e pela melhora de indicadores importantes, como de confiabilidade e de disponibilidade dos equipamentos.

Quais as características de um bom plano de manutenção preventiva?

Em primeiro lugar, é preciso observar que o plano de manutenção preventiva é constituído por etapas, como podemos ver a seguir no exemplo de um roteiro simples de manutenção de um equipamento industrial:

  1. levantamento de todos os pontos de lubrificação;
  2. definição de uma rotina de inspeção para que não ocorram paradas e quebras devido a um vazamento;
  3. estabelecimento de períodos de lubrificação e de troca do produto utilizado;
  4. acompanhamento dos resultados obtidos e definição de medidas para evitar, em manutenções posteriores, os problemas que ocorreram no processo.

Além disso, vale destacar que é fundamental respeitar a vida útil das peças que compõem o maquinário, como filtros, engrenagens, suporte etc. De uma forma mais ampla, existem quatro itens essenciais a um plano de manutenção preventiva. Veja!

Levantamento de dados

Essa é a fase em que se levantam todas as características de cada equipamento da planta fabril que deverá receber manutenção. Isso inclui as condições, a quantidade de peças de cada máquina e a checagem da vida útil delas.

Também são analisados os lubrificantes e as graxas que serão utilizados e os intervalos de tempo de trocas e de lubrificação, além de qualquer informação possível a respeito do maquinário que seja útil para o planejamento.

Acompanhamento com indicadores de produtividade

O acompanhamento do planejamento e da execução do processo de manutenção preventiva é essencial para a coleta de dados sobre riscos, eventuais contratempos e possíveis soluções a serem utilizadas à medida que essa atividade é realizada. Inclusive, é possível avaliar a economia obtida na aquisição de determinado lubrificante industrial ou peça de maior valor.

O cálculo é simples: se eu compro um produto de melhor qualidade que vai assegurar maior disponibilidade de equipamento, logo, a produtividade será maior porque não haverá tantas interrupções. Se não houver o levantamento e o acompanhamento dos dados gerados, não se tem como comprovar isso.

Definição de orçamento

O orçamento não deve levar em consideração somente o valor inicial dos produtos usados na manutenção, mas também a relação custo-benefício e a qualidade que eles podem oferecer, principalmente os lubrificantes.

Às vezes, com um investimento inicial maior em um produto de melhor qualidade, obtemos economia em relação à eficiência e à disponibilidade dos equipamentos.

Até mesmo conseguimos a diminuição do consumo do próprio lubrificante por ser melhor e render mais, o que ocasiona menos gastos.

Aplicação de treinamento

Uma equipe bem treinada, com certeza, terá melhor “olho clínico” para compreender quando ocorre uma falha e saberá logicamente antecipar um problema maior no processo de manutenção.

Além disso, conseguirá sugerir melhorias para aprimorar o plano de manutenção preventiva sempre que possível, passando a contribuir mais ativamente com o gestor da área.

Por que é importante investir tempo e recursos em um plano assim?

É importante realizar esses investimentos para aumentar a confiabilidade e a disponibilidade dos equipamentos e, de certo modo, de boa parte da tecnologia da fábrica.

Isso reduz os riscos de quebras de peças dos maquinários e evita interrupções indesejadas na produção. Além do mais, se essas máquinas tiverem custos altos, a empresa poderá ter prejuízos elevados com a reposição delas devido a estragos que não têm reparo.

Também é preciso aplicar recursos na manutenção para impedir ou mitigar desperdícios de mão de obra, de tempo e de materiais.

Isso porque a falta de planejamento pode ocasionar o desperdício de um desses itens já que, sem o plano, não haverá uma previsão adequada do que será consumido nos procedimentos de manutenção. Sem esse parâmetro fica mais fácil “perder o controle” dos materiais usados e estourar o orçamento do setor.

Para mitigar ao máximo a perda de tempo dentro das operações de manutenção, o indicado é implantar mecanismos de planejamento, acompanhamento e controle da área.

Desse modo, será possível dimensionar, de maneira mais precisa, a quantidade de ações que devem ser efetuadas para manter os ativos da empresa confiáveis, seguros e disponíveis.

Como um plano de manutenção preventiva pode ajudar na performance da equipe?

Executando um plano de manutenção preventiva correto, com certeza, haverá menos quebras e substituição de peças periféricas essenciais para o funcionamento de um ou mais equipamentos. Graças a isso, sua equipe poderá trabalhar com menos paradas, elevando sua produtividade e sua performance.

Por meio de análises químicas estipuladas no plano de manutenção, torna-se possível até mesmo aumentar os períodos de trocas dos lubrificantes, diminuindo, assim, o consumo deles.

Lembrando que para conseguir isso é preciso investir em um produto de boa qualidade, pois não se consegue aumentar o período de troca utilizando um lubrificante simples.

Para se efetuar um acompanhamento adequado do lubrificante é preciso contar com um bom plano de manutenção preventiva. Sendo assim, é fundamental desenvolver esse projeto dentro da sua empresa para obter os benefícios acima apontados.

Ficou com alguma dúvida sobre a importância de um plano de manutenção preventiva ou sobre quais os principais aspectos que o constituem? Compartilhe nos comentários para que possamos ajudá-lo! Entre em contato!

Posts relacionados

Deixe um comentário