Lubrificação

Principais tipos de graxa: quais são e quais as vantagens de cada uma

A graxa industrial é um lubrificante sólido ou semissólido produzido a partir da combinação de óleo (mineral ou sintético), agentes espessantes e aditivos. Saber fazer a escolha certa influencia diretamente a performance das máquinas e dos equipamentos, bem como o ciclo de vida de seus componentes.

Neste post, vamos explicar a importância da utilização desse item na indústria, quais são os principais tipos de graxa existentes e as vantagens de cada uma delas. Continue acompanhando para saber mais sobre o assunto!

Qual a importância do uso de graxa na indústria?

A principal função da graxa é reduzir o atrito, o desgaste e o aquecimento, além de proteger contra a corrosão e vedar contra o ingresso de contaminantes externos — como água ou impurezas.

Quando aplicada em um mancal, por exemplo, além de lubrificar, a graxa forma um anel que impede a entrada dos contaminantes no dispositivo. Assim, ela também cumpre a função de vedar.

A importância da graxa surge com a ineficácia do óleo em vedar os equipamentos, já que a tendência desse produto é escorrer — como no caso do mancal. Justamente por faltar lubrificante, surgem falhas na lubrificação. Nessas situações, em vez de usar o óleo, o recomendado é que se use a graxa.

Também não podemos deixar de citar a questão da segurança. Isso porque a lubrificação feita com a graxa tem um período de relubrificação mais extenso que o do óleo.

Se existe algum ponto de risco ou com dificuldade de acesso, que possa apresentar a possibilidade de algum acidente para o operador, por exemplo, é mais indicado usar a graxa que, devido a suas características, demanda uma frequência menor de troca.

Por que atentar para rotinas de troca da graxa?

Assim como no caso do óleo lubrificante, a troca da graxa garante uma lubrificação ideal para as máquinas e seus componentes. Estabelecer e seguir um plano para a periodicidade ideal dessas manutenções ajuda a melhorar os indicadores de desempenho dos equipamentos.

Quais os tipos de graxa e suas vantagens?

Nos próximos tópicos, vamos apresentar os principais tipos de graxa utilizados no mercado, indicando suas características, vantagens e desvantagens. Confira!

Graxa à base de Lítio (Li)

Com uma consistência macia, essa graxa é usada em várias aplicações. Podemos citar entre as principais vantagens:

  • resistência a água;
  • estabilidade em altas temperaturas;
  • alto nível de aderência.

Lembrando que, por se tratar de um sabão metálico, esse tipo de graxa não pode ser utilizado na indústria alimentícia.

​Ficha técnica da graxa de sabão de Lítio com óleo mineral:

Tipo de espessanteLítio
Resistência a águaBoa
Resistência ao calorStandard
BombeabilidadeÓtima
Resistência a altas cargasStandard
CustoStandard

Isso quer dizer que se trata de uma graxa barata, mas que apresenta características mais básicas.

Ficha técnica do sabão complexo de Lítio com óleo mineral ou sintético:

Tipo de espessanteComplexo de Lítio
Resistência a águaBoa
Resistência ao calorBoa
BombeabilidadeÓtima
Resistência a altas cargasStandard
CustoMédio

Isso quer dizer que o produto tem um custo mais elevado, mas apresenta características melhores que o anterior.

Ficha técnica da graxa de complexo de Lítio com lubrificantes sólidos:

Tipo de espessanteComplexo de Lítio com Bissulfeto de Molibdênio
Resistência a águaBoa
Resistência ao calorBoa
BombeabilidadeStandard
Resistência a altas cargasExcelente
CustoMédio

Graxa à base de Cálcio (Ca)

Também é um material macio e tem uma boa solidez. Entre as principais vantagens estão:

  • fabricação simplificada;
  • custo total;
  • resistência a água.

Por outro lado, porém, essa graxa tem um baixo ponto de gotejamento, o que significa que ela começa a se dissolver em temperaturas muito altas (acima de 77ºC), fazendo com que o óleo perca o ponto ideal de lubrificação.

Ficha técnica da graxa de Sulfonato de Cálcio:

Tipo de espessanteSulfonato de Cálcio
Resistência a águaExcelente
Resistência ao calorExcelente
BombeabilidadeÓtima
Resistência a altas cargasExcelente
CustoElevado

Graxas sintéticas

Nessa categoria estão todas as graxas fabricadas com base em óleos sintéticos. Sua principal característica está no fato de não corroerem com tanta facilidade como acontece com as graxas de base mineral.

As maiores vantagens aqui estão na grande variedade de aplicação e na gama de diversidade no que diz respeito ao uso em agentes espessantes. Como desvantagem temos a falta de resistência ao atrito em temperaturas mais baixas.

Ficha técnica da graxa de Poliureia:

Tipo de espessantePoliureia
Resistência a águaStandard
Resistência ao calorExcelente
BombeabilidadeÓtima
Resistência a altas cargasBoa
CustoElevado
Glossário de Lubrificação

Em quais operações essas graxas são utilizadas?

A maior quantidade de graxas do mercado é de Lítio, mas tem havido uma migração para as de alta performance. O que define o tipo de graxa a ser utilizado são as exigências (isoladas ou em conjunto) a que se deve atender.

Se há um equipamento que tem grande contaminação de água, por exemplo, como um laminador de uma siderúrgica, há também a exigência por uma graxa que tenha grande capacidade de resistência à lavagem por água. Qualquer outro produto utilizado não terá desempenho satisfatório.

Por outro lado, se for ser usado em equipamento de indústria automobilística que não tem nenhum contato com água, por exemplo, não há vantagem em fazer a migração para uma graxa que tenha essa característica. Isso apenas vai onerar o custo operacional.

Com base nas exigências do equipamento, você determina o tipo de graxa a ser utilizada. As informações sobre exigências são disponibilizadas no próprio manual do equipamento. Só vale ressaltar que também é necessário observar as condições de operação, já que podem haver situações mais críticas do que o previsto no manual.

A realização de testes operacionais também ajuda a fazer a melhor escolha. No manual pode haver a indicação de utilização de um tipo de graxa para relubrificar toda semana, por exemplo.

Contudo, se a graxa for de alta performance, você pode fazer um teste no equipamento para verificar se com esse produto há ou não a necessidade de relubrificação com frequências maiores. Esse trabalho também é executado para especificar o tipo de graxa.

O que define uma graxa de boa qualidade?

Graxas de boa qualidade são aquelas que atendem isoladamente ou em conjunto às exigências de um equipamento. Isso não quer dizer que a graxa mais barata não seja de boa qualidade. Se o equipamento não exigir nada superior, esse produto estará bem especificado para a aplicação.

Conhecer os tipos de graxa existentes no mercado e saber fazer a melhor escolha é uma garantia a mais que se tem de que os equipamentos funcionarão com um desempenho satisfatório, além de otimizar a necessidade de frequência de relubrificação, aumentando a eficiência operacional.

Quer saber mais sobre os tipos de graxa e ter certeza de que fará a melhor escolha? Entre em contato conosco e tire todas as suas dúvidas com um de nossos especialistas!

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %