Manutenção Industrial

Indústria 4.0 na mineração: quais os impactos na manutenção?

É curioso pensar no percurso da história industrial, em como iniciamos com o vapor e chegamos às nuvens — ou clouds, como sugerem os serviços de armazenamento e controle em rede. Por conta disso, elaboramos este artigo especial sobre o tema, em que apresentamos os impactos da Indústria 4.0 na mineração.  

Caso não esteja inteirado no assunto, saiba que não há problema, pois nesta leitura você entenderá as principais curiosidades do conceito, com a definição da nova indústria, as tecnologias utilizadas para revolucionar o setor e como tudo isso tem revertido bons resultados operacionais. Acompanhe!

A definição da Indústria 4.0

Esse é o termo utilizado para explicar a mais recente revolução industrial. Como você bem sabe, a história nos aponta vários ciclos de produtividade econômica, mas dentro dessa escala de tempo, existem algumas eras que separam a eficiência de cada período.

O primeiro grande “boom” aconteceu com a mecanização na era das máquinas a vapor. Mais tarde, uma segunda revolução aconteceria com a introdução das linhas de produção, alimentadas pela eletricidade. Até que a terceira era surgiu, surfando na eficiência gerada pela engenharia eletrônica, automação e robótica.

Hoje em dia, vivemos um período de transição, em que a indústria passa a absorver as vantagens e soluções da nova era, com a adoção de tecnologias computacionais de poder bruto. A inteligência artificial, a interpretação de dados em massa e a conectividade integral são apenas três dos conceitos aplicados nos setores que têm aproveitado essa transição.

Os impactos da Indústria 4.0 na mineração

Todos sabemos como a mineração é um setor complexo, pois envolve muitos aspectos burocráticos e técnicos. Felizmente, as soluções da nova indústria atendem esses pontos, elaborando maneiras de facilitar a leitura de áreas produtivas, com uma abordagem ainda mais tecnológica por trás do processo de decisão.

Além disso, a inovação é a maior bandeira da tecnologia e da ciência. Foi com esse propósito que uma iniciativa brasileira surgiu para fazer história, com o Mining Hub, o primeiro e único hub do setor industrial de mineração em todo o mundo.

O projeto oferece um ambiente fértil para o desenvolvimento de novas ideias, parcerias, empresas e startups, reunindo a expertise dos executivos de 22 gigantes do setor, além de uma série de membros fornecedores de porte global, como a PETRONAS. Agora, confira quais são as novas estratégias para alavancar os resultados das indústrias!

IoT, a Internet das Coisas

A IoT é uma abordagem fantástica do ponto de vista da conectividade. O conceito defende o uso de dispositivos “inteligentes”, como sensores e monitores, que assim são capazes de vigiar toda a operação industrial 24 horas por dia.

Essas informações são coletadas e então enviadas para alguma interface, que pode ser um software de computador, no qual o analista poderá acompanhar a performance da cadeia de produção e a curva do desgaste dos equipamentos.

Big Data

Já aqui temos uma tecnologia focada na captação, armazenamento, manuseio e análise de uma quantidade absurda de informações. A Big Data recebe esse nome por conta do volume gigantesco de dados com que ela trabalha, seja na análise de uma operação fabril ou na interpretação do comportamento do consumidor.

AI, a Inteligência Artificial

A inteligência artificial usa de algoritmos de programação que estimulam uma rotina de “pensamento” humano, mas sem as limitações inerentes à nossa espécie. As tecnologias de AI se conectam aos sensores e dispositivos de IoT e analisam as informações coletadas pela Big Data, apresentando conclusões, sugestões e soluções para a otimização produtiva.

Inclusive, nesse último ponto, a AI tem sido amplamente utilizada na antecipação de problemas técnicos e mecânicos nos equipamentos. Como a tecnologia lê o comportamento das ferramentas, consegue identificar quedas de produtividade e com isso prever problemas, prevenindo quebras e panes generalizadas.

Aprendizado de máquina

Em uma fase mais inicial, essa ideia é bastante conhecida pelo seu termo inglês, machine learning. Basicamente, o conceito apresenta uma situação em que o algoritmo de AI consegue aprender com os seus diagnósticos, erros e acertos, tal como um humano faria, mas em uma velocidade absolutamente alta, em um constante estágio de atualização e aperfeiçoamento.

O impacto das novas tecnologias na manutenção industrial na mineração

Então, chega o momento de entender como essas tecnologias operam no cotidiano das mineradoras, auxiliando em um dos principal desafios do setor, a manutenção industrial. Veja!

Controle a distância

Hoje em dia, as gigantes da mineração têm apostado pesado nas centrais de operação remota, com escavadeiras autônomas que são controladas por um operador em uma base distante. Um desses exemplos acontece no Canadá, sendo inclusive, uma iniciativa pioneira para a segurança no trabalho.

Além disso, em um futuro bastante próximo, acontecerá no Brasil a inauguração da primeira mina operada exclusivamente por caminhões autônomos. A ausência de trabalhadores humanos no perímetro de extração reduz a taxa de erros, prolongando o arco de durabilidade do maquinário, que pode operar em uma rotina programada, ainda que sob o monitoramento de um operador remoto.

Monitoramento em tempo real

Para controlar todo o espetáculo a distância, é fundamental que se tenha olhos atentos sobre a operação. Isso passou a ser possível com a utilização de drones, que sobrevoam as regiões operacionais, oferecendo uma visão detalhada para os analistas, que ganham em eficiência e segurança.

Análise de dados

Enquanto as escavadeiras trabalham, os servidores são alimentados com “toneladas” de informações computacionais. Com uma estratégia de monitoramento ativo do maquinário, o monitoramento passa a acontecer dentro delas. Isso é possível porque os equipamentos passam a equipar uma série de sensores capazes de identificar o superaquecimento, a queda do torque mecânico e uma infinidade de outras informações, que uma vez cruzadas, conseguem indicar sintomas preditivos de um problema no curto prazo.

Assistência técnica e decisões descentralizadas

No fim das contas, a implementação de um sistema de manutenção preditiva consegue reduzir as perdas de produção em mais de 20%, além de provocar uma economia de aproximadamente 10% nos custos operacionais com manutenções corretivas.

Por conta de toda essa eficiência econômica e produtiva, a operação acaba se habituando ao sistema com mais facilidade, descentralizando as decisões dos gestores técnicos e confiando na análise bruta e fria dos dados. Assim, os analistas e engenheiros podem se preocupar com o acompanhamento passivo da operação, além de concentrar seus esforços na elaboração de novos projetos.

Gostou deste post esclarecendo o impacto da Indústria 4.0 na mineração? Então aproveite o momento para se especializar no tema, conferindo nosso artigo especial sobre a manutenção em mineradoras!

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %