Manutenção Industrial

O impacto da inovação tecnológica nas indústrias de transformação

As novas tecnologias digitais estão mudando a forma que o trabalho é realizado em todos os tipos de negócio e não seria diferente na indústria de transformação.

O impacto de inovações como a Internet das Coisas e o Big Data já é sentido em muitas empresas do setor e a expectativa é de que isso se intensifique ao longo dos anos.

A indústria de transformação engloba todas as empresas que convertem matérias-primas brutas em produtos finais para o consumidor ou itens intermediários para alimentar outras indústrias, como por exemplo as siderúrgicas e as petroquímicas.

Neste artigo, vamos explicar melhor como a inovação tecnológica impacta a indústria de transformação, quais são as mudanças principais e quais os desafios que precisam ser encarados junto a esse avanço. Boa leitura!

A quarta revolução industrial

A transição dos processos produtivos que se iniciou por volta de 1760 na Inglaterra e é chamada de Revolução Industrial é o momento de maior transformação na história da humanidade e vai muito além da simples mudança de métodos artesanais para o uso de máquinas.

O aumento abrupto da produtividade de bens de consumo desencadeou o surgimento da economia capitalista moderna, ampliou a expectativa de vida, multiplicou a população global, desenvolveu o PIB per capita de forma extraordinária quando comparado com o resto da história da humanidade e impulsionou mudanças sociais profundas.

Toda essa metamorfose foi proporcionada por novas tecnologias, mas a evolução não parou por aí: em meados do século XIX, progressos como o enlatamento de alimentos, a refrigeração, o avião e a eletrificação de Nikolas Tesla marcaram um período que é conhecido como a segunda revolução industrial, ainda que alguns especialistas considerem que o momento é apenas a segunda fase de uma mesma revolução.

A terceira revolução industrial acontece após a Segunda Guerra Mundial, nos anos 50, quando a tecnologia mecânica começa a ser substituída pela digital, surgem os primeiros computadores e os eletrônicos alcançam uma produtividade maior.

Esse período também é chamado de Revolução Digital, por marcar o início da chamada Era da Informação.

Nos últimos anos, uma nova etapa da revolução industrial está acontecendo, a quarta revolução industrial, ou apenas Indústria 4.0.

Inovações como os sistemas de automação, a internet das coisas e o Big Data estão permitindo a criação do que é conceituado como fábrica inteligente: instalações com alta produtividade, processos padronizados e confiáveis e o mínimo de interferência humana.

Como em qualquer outra etapa da revolução industrial, a expectativa é de que os impactos sejam significativos tanto para a indústria em si como para a sociedade.

As relações de emprego, os padrões de consumo e a competitividade entre empresas será bem diferente, trazendo oportunidades de novos negócios e, ao mesmo tempo, desafios para os antigos.

Os novos processos produtivos

A indústria de transformação está na base de todas as cadeias produtivas: é nesse setor que metais, madeira, petróleo e outras matérias primas extraídas dão seu primeiro passo em direção ao consumidor final.

Ao longo das últimas décadas, os processos produtivos desse setor passaram por mudanças importantes e, em sua maioria, quantitativas: novas máquinas lançadas a cada ano permitem uma produção mais rápida e segura, aumentando os números e o potencial do setor.

Agora, com a chegada de novas tecnologias disruptivas como sistemas automatizados que podem trocar dados entre máquinas sem a interferência de usuários e a evolução da robótica, a expectativa é que a transformação seja também qualitativa.

Em algumas áreas, isso já começa a ser sentido com mais intensidade. Na indústria automobilística, por exemplo, boa parte do trabalho é feito por sistemas totalmente automatizados.

Fábricas de automóveis na China já contam com uma quantidade mínima de mão de obra que mais supervisiona o trabalho das máquinas do que efetivamente as opera.

Além disso, muitas empresas já se valem do Big Data e do Machine Learning. Essas tecnologias permitem criar sistemas que aprendem com a experiência de bancos de dados imensos e podem, em pouco tempo, encontrar métodos de trabalho mais eficazes.

A expectativa é de que isso seja ampliado de forma drástica nos próximos anos na indústria de transformação. Muitos dos processos que hoje demandam o uso de muita força de trabalho poderão ser feitos de forma autônoma por sistemas avançados desenvolvidos para tal.

Tanto o trabalho operacional como o intelectual será aos poucos assumido pela tecnologia, conforme as inovações são apresentadas e testadas na prática.

Disrupção é uma palavra muito falada no mundo dos negócios de hoje, mas o exagero é justificado: a aceleração do desenvolvimento tecnológico é implacável e, quem não se adaptar à Indústria 4.0 vai ficar no passado como o tear mecânico, de Edmund Cartwright, que surgiu na primeira revolução industrial.

Desafios que serão enfrentados na indústria de transformação

O principal desafio para quem atua na indústria de transformação é a percepção da inovação ao redor. É importante acompanhar as tendências e tecnologias da área para entender o que está mudando e como reagir a essas novidades com firmeza e agilidade ao mesmo tempo.

Além disso, a mão de obra deve se tornar mais uma complicação nos próximos anos. Certamente haverá uma redução no volume de trabalhadores em uma fábrica, o que em teoria significa um gasto menor com a folha de pagamentos. Mas, por outro lado, a qualificação dos colaboradores que restarem precisará ser muito maior, já que a operação das novas tecnologias exige mais capacidade técnica.

Outra questão importante é a mudança nas relações de consumo. Com mais dados e análises inteligentes é possível entender melhor as reais necessidades e prever as demandas dos consumidores. Os negócios podem usar essas informações para produzir com mais eficiência a atingir melhor o seu público.

Por outro lado, quem não tiver o poder dos dados em mãos e não souber como lidar com essa arma poderosa ficará em uma situação competitiva desconfortável.

Não ter o controle de dados em seu negócio é como quem joga futebol de olhos vendados contra jogadores que estão enxergando muito bem o campo.

Portanto, como em qualquer revolução industrial, existem desafios e oportunidades nos próximos anos. E agora que você já aprendeu mais sobre o impacto da inovação na indústria de transformação, aproveite para saber o que esperar da nova revolução industrial!

Powered by Rock Convert

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %