Estratégias de Custos

Integração da cadeia de suprimentos: quais as vantagens para a indústria?

Promover a integração da cadeia de suprimentos é uma estratégia que proporciona diversos benefícios para todos os envolvidos — principalmente no que diz respeito ao fortalecimento do relacionamento comercial entre os parceiros de negócio.

Porém, para alcançá-la, é preciso superar desafios e aplicar algumas boas práticas. Quer saber melhor quais são essas vantagens e o que precisa ser feito para se chegar a uma gestão integrada da supply chain? Confira agora mesmo!

Quais são os tipos de integração que podem ser feitos?

A integração da cadeia de suprimentos consiste em aproximar a relação comercial entre os elos envolvidos — aprimorando a comunicação, compartilhando informações importantes a respeito do mercado — e, sobretudo, fazer uma gestão mais centralizada dos processos e dos players. Basicamente, existem duas formas de realizar essa integração: a forma vertical e a horizontal.

A integração vertical segue uma hierarquia e, nesse modelo, geralmente, as organizações têm um dono em comum. É o caso de quando empresas que fazem fusões ou aquisições. Nesse contexto, a adquirente passa a controlar as operações de produção de matérias-primas ou insumos (integração à montante) ou de distribuição e venda dos produtos acabados (à jusante).

Já a integração horizontal está ligada à aquisição de organizações que estão no mesmo nível de produção. Dessa forma, as empresas envolvidas podem trabalhar com o compartilhamento de recursos, visando otimizar e aprimorar a produção.

Afinal, quais são as vantagens para a indústria?

Quando falamos em integração da cadeia de suprimentos, a primeira coisa que vem à cabeça é um grupo de empresas bem conectadas, que se comunicam de forma fluída e compartilham informações importantes para otimizar os processos — e agregar valor aos produtos para os clientes finais.

Isso, por si, já é um grande benefício. Porém, existem vários outros que podem ser citados. Conheça-os a seguir:

Melhoria no desempenho competitivo

Quando a cadeia de suprimentos é integrada, os envolvidos passam a competir em conjunto (com seus parceiros de negócios) e não de forma isolada no mercado. Isso contribui para que os players se fortaleçam e, consequentemente, tenham um desempenho competitivo acima do esperado.

Aprimoramento do controle de estoque

Outra grande vantagem da integração da cadeia de suprimentos é o aumento da previsibilidade da demanda. Com os processos interligados, todos os elos conhecem bem a procura e as variações das necessidades de materiais.

Com isso, fica mais fácil promover a sinergia entre eles e otimizar o controle de estoque. Assim, evita-se acúmulo ou falta de insumos, matérias-primas e produtos ao longo da cadeia. A consequência disso é um estoque mais enxuto e o melhor aproveitamento do capital de giro — utilizado para investir na aquisição desses materiais.

Otimização da gestão de custos

Com a melhoria dos processos e da tomada de decisão, chega-se à otimização da gestão de custos. Isso é possível graças a diversos fatores como:

  • melhora no compartilhamento de informações (confiáveis e relevantes);
  • redução de desperdícios ao longo da cadeia (de tempo, materiais, mão de obra, entre outros);
  • estimativas mais acertadas a respeito da demanda;
  • aprimoramento das estratégias de precificação;
  • redução dos custos operacionais.

Crescimento do ROI

Outra vantagem que vale a pena citar é o crescimento do Retorno sobre Investimento (ROI). Com a melhoria dos processos, os resultados passam a ser cada vez mais satisfatórios e, de modo geral, isso representa um retorno maior sobre os investimentos realizados na indústria.

Melhora nas relações comerciais

Com a integração, a tendência é que as empresas se unam em favor de objetivos em comum e se tornem ainda mais próximas, compartilhando processos, informações e boas práticas de mercado.

Um exemplo claro de como isso acontece na prática é quando um fornecedor é corresponsável pela gestão do estoque e faz o acompanhamento das quantidades disponíveis com certa frequência.

Dessa forma, ele já tem ciência sobre a demanda de forma antecipada e consegue programar sua produção com um nível de eficiência ainda maior. Ao longo da cadeia, isso contribui para reduzir o acúmulo de produtos — evitando perdas decorrentes de avarias ou obsolescência, por exemplo.

Quais desafios devem ser superados nessa integração?

Apesar de ser bastante benéfica para as cadeias produtivas, a realização da integração envolve diversos desafios. Grande parte deles estão ligados justamente à gestão (da empresa e seus fornecedores) e a falta dos recursos adequados para promover a comunicação e o alinhamento dos processos. Conheça os principais empecilhos nos próximos tópicos.

Entrega dos materiais

Uma gestão ineficiente das entregas é um problema, de certa forma, comum, mas que afeta diretamente os resultados alcançados na cadeia de suprimentos. Afinal, de nada adianta compartilhar a comunicação e otimizar os processos se ainda existem problemas nos envios dos fornecedores ou se o controle dos recebimentos não é eficaz.

Gestão de fornecedores

A gestão de fornecedores é crucial para o sucesso dos resultados, visto que é nele que os processos se iniciam. O desafio é conseguir fazer uma gestão eficiente, focada na sinergia e no alinhamento dos processos.

Por isso, é muito importante formar parcerias com outras empresas que tenham uma cultura ou valores semelhantes e que, sobretudo, tenham uma visão convergente no que diz respeito aos objetivos. Assim, fica mais fácil alcançar a sinergia e fazer com que os elos atuem de forma mais coerente com os objetivos.

Recursos tecnológicos

A falta de recursos tecnológicos é um problema considerável, haja vista que a automação dos processos proporciona ganhos em eficiência, redução de erros (e necessidade de retrabalhos), agilidade na execução das tarefas, entre outros benefícios.

Além disso, a tecnologia também contribui para otimizar a comunicação entre as empresas, promovendo o compartilhamento de informações — até mesmo em tempo real, em alguns casos. Por isso, é essencial investir em soluções e buscar parceiros que também se preocupam com a modernização das atividades.

Quais são as boas práticas para adotar a integração da cadeia de suprimentos?

Como já sabemos, a comunicação e o compartilhamento de informações é essencial para promover a integração da cadeia de suprimentos. Porém, isso não é o suficiente para que isso seja feito com eficiência.

Existe uma série de aspectos que precisam ser levados em consideração e eles envolve, principalmente a gestão centralizada dos players, o investimento em sistemas de informação que viabilizam essa troca de informações, além da melhoria nos processos de negócio. Além disso, existem outras boas práticas que podem ser adotadas. Entre elas:

  • compartilhamento da gestão de estoque com os fornecedores (otimizando os custos operacionais);​
  • realização de previsão de demanda — buscando otimizar a composição dos estoques, evitando faltas e excessos;
  • acompanhamento de indicadores de desempenho (KPIs) dos fornecedores e os serviços prestados por eles;
  • diminuição da burocracia ao longo da cadeia de distribuição;
  • melhoria na gestão de transportes — tanto do fornecedor para a empresa quanto da empresa para seus distribuidores e revendedores;
  • compartilhamento dos processos de trabalho com os fornecedores, promovendo a integração na prática e contribuindo para que as melhores soluções sejam encontradas e aplicadas ao negócio.

Como você pôde ver, a integração da cadeia de suprimentos torna as empresas e seus parceiros de negócio ainda mais próximos. Isso porque viabiliza a tomada de decisão em conjunto, focando sempre em atender às demandas dos clientes com o máximo de qualidade e eficiência.

O que achou deste artigo? Quer aproveitar para saber sobre o que é e como funciona a integração vertical? Então, não deixe de conferir este post!

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %