Pontos de lubrificação na mineração: você sabe quais são?

6 minutos para ler

Saiba quais são os principais pontos de lubrificação na mineração

A mineração é desenvolvida em ambientes extremos. Altas temperaturas, contaminação abrasiva e cargas pesadas causam o desgaste diário dos equipamentos. Os utilizados nesta atividade são muitos e é impossível elencar todos, por isso, abaixo você encontra os que mais se destacam, tanto em máquinas fixas quanto móveis.

Os equipamentos móveis são as perfuratrizes, escavadeiras, pás carregadeiras, motoniveladora e caminhão fora de estrada, por exemplo. Mesmo que a categorização desses ativos remeta a equipamentos menores, eles são de grande porte. Enquanto isso, os fixos são, entre outros, britadores, peneiras, ciclones e redutores.

Conheça agora quais são os principais pontos de lubrificação, quando falamos desses equipamentos.

Motores a diesel

Eles operam sob condições severas. Por esse motivo, o lubrificante para esse tipo de motor precisa ir além da limpeza de peças móveis, como pistões e bielas. Uma das funções do fluido é o resfriamento desse sistema, trocando o calor do equipamento com o ambiente.

É esperado também que o óleo lubrificante vede o motor para que não haja passagem dos gases que vêm da combustão. Ou seja, as necessidades desse componente vão além da simples redução de atrito entre as peças e são fundamentais para prolongar a vida útil do equipamento e eliminar as paradas por falha.

Transmissão

Problemas neste sistema podem causar sérios acidentes. Além disso, os possíveis danos nas válvulas e correias são muito mais custosos que a manutenção e troca do fluido de transmissão, no momento adequado.

Para que o lubrificante seja apropriado para as particularidades do segmento da mineração, é importante que ele seja resistente a alta temperatura, oxidação e corrosão. Para este sistema, também é necessário que o fluido apresente boa fluidez em baixas temperaturas. Esse detalhe faz uma grande diferença, uma vez que assegura a facilidade do bombeamento do óleo por todos os componentes, mesmo em climas frios.

Sistemas hidráulicos

Cada vez mais tecnológicos, exigem cuidado na escolha dos produtos. O uso inadequado de substâncias, ou com especificações diferentes das recomendadas pelo fabricante, pode comprometer toda a tecnologia empregada. A consequência é, claro, máquina parada e perda de produtividade. O sistema hidráulico atua de várias formas, entre elas, transferindo energia e potência.

Ao escolher um fluido hidráulico, assegure-se de que ele oferece proteção antidesgaste aos componentes do sistema e que tenha boa estabilidade térmica e de oxidação. Esse cuidado fará com que o intervalo entre as trocas de óleo seja maior.

Correias e cabos de aço

Esses componentes são encontrados em quase todos os equipamentos. Dragas, coletores, escavadeiras e empilhadeiras são apenas alguns exemplos dentro da atividade mineradora. No ambiente extremo em que os ativos se encontram, essas são as peças que estão sujeitas a desgaste rápido e, por este motivo, devem entrar no radar da manutenção.

A lubrificação correta desses pontos de atenção deve considerar esse ambiente para propor a melhor solução. Alguns aditivos são importantes na composição do óleo para correias e cabos de aço, como os antidesgaste, antiespuma e antiferrugem. Os inibidores de extrema pressão também ajudam a conservar ainda mais os componentes e a aumentar a segurança durante as operações.

Pinos, buchas, juntas

Componentes muito exigidos na atividade mineradora, estão presentes tanto em equipamentos móveis quanto fixos. Por serem altamente solicitados na operação, também estão sujeitos a um maior desgaste.

É necessário que o lubrificante utilizado tenha viscosidade superior para uma melhor aderência às peças metálicas, porém, sem interferir na sua estabilidade mecânica. A lubrificação deve considerar aditivos como os que protegem contra a oxidação, tenham alto ponto de gota e atuem de forma a prevenir a ferrugem.

Rolamentos de motores elétricos

Presentes em bombas de rejeitos e de areia, lavadores, clarificadores e ventiladores de indução, entre outros, os rolamentos dos motores elétricos utilizados na produção são mais um ponto de atenção. Neste sistema, a lubrificação tem a função de prolongar a vida útil dos mancais ― dispositivos fixos onde se apoia um eixo, seja ele girante, deslizante ou oscilante.

Assim como em todos os pontos de atenção, a lubrificação deve ser realizada em intervalos determinados pelo fabricante e, no caso dos rolamentos, o óleo lubrificante precisa fornecer proteção para a presença de altas cargas e contra elementos atmosféricos.

Fluidos de refrigeração

A gestão da temperatura dos ativos é fundamental para o bom funcionamento da indústria como um todo. Afinal, quase todos os equipamentos geram calor ou, então, necessitam dele. O sistema de arrefecimento é o responsável por realizar a troca de calor entre maquinário e ambiente, proporcionando o equilíbrio da temperatura.

Este sistema merece um cuidado especial na hora de planejar sua lubrificação. O fluido refrigerante deve ter propriedades como: alto nível de reserva alcalina (que evita a tendência à corrosão), ser antiferrugem e antiespuma.

Em todos os casos, é preciso ressaltar que uma boa prática da manutenção é sempre considerar as especificações do fabricante. Com a evolução da tecnologia na produção, detalhes e cuidados indicados pelas OEMs são informações que não podem passar despercebidas e contribuem para garantir a disponibilidade dos equipamentos e prolongar sua vida útil.

Lembre-se também que optar pelo menor preço pode custar muito para a empresa. Escolher os óleos lubrificantes mais baratos dá uma falsa sensação de economia, uma vez que a baixa qualidade irá interferir na produtividade do maquinário. Procure sempre por fabricantes certificadas e de qualidade comprovada por organizações internacionais.

Baixe agora, gratuitamente a planilha Plano de Lubrificação e elabore estratégias mais eficazes para otimizar os investimentos e atividades da equipe de manutenção.

Posts relacionados

Deixe um comentário