Manutenção Industrial

Manutenção de britadores na indústria de cimento: quais os cuidados necessários?

Nas plantas industriais de produção de cimento, são muitos os equipamentos que merecem atenção. Afinal, as condições operacionais das cimenteiras são extremas e, como em qualquer setor, máquina parada é sinônimo de ineficiência operacional. Não à toa, a manutenção de britadores, escavadeiras e fornos, apenas para citar alguns dos ativos, deve ser rigorosa.

De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC), o ano começou positivo para o setor. Em fevereiro deste ano, foram comercializadas 4,8 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 1,9% em relação ao mesmo mês de 2020. Porém, a mesma entidade aponta que, mesmo com uma ligeira recuperação, as cimenteiras ainda não podem respirar aliviadas. O motivo é um velho conhecido dos gestores: os custos de produção da indústria do cimento. O coque de petróleo, por exemplo, sofreu um aumento de 37% no primeiro trimestre de 2022, mas a boa demanda do setor imobiliário amortizou esse impacto.

Como sacrificar a qualidade do produto final ou deixar de realizar a compra de insumos não são opções válidas, é preciso que os gestores busquem outras formas de reduzir os custos. A manutenção dos ativos, claro, é uma das saídas mais seguras e assertivas.

Neste artigo, o nosso foco estará na manutenção de britadores. Para entender mais sobre os pontos mais importantes desses equipamentos, conversamos com os especialistas técnicos da PETRONAS Júlio Sabino e Daniel Cruz. Continue a leitura!

Os investimentos em manutenção que fazem a diferença

Manutenção de britadores: o que deve estar no radar dos profissionais

Cada empresa tem suas particularidades, o que faz com que as plantas industriais sejam bastante diversas dentro de um mesmo segmento. Com as cimenteiras, não é diferente. Nelas, os britadores ― também chamados de trituradores ― podem ser cônicos, giratórios, de mandíbula, rolo ou impacto. “A diferença entre eles, basicamente, é a granulometria final da matéria-prima. Em alguns casos, a rocha já vem triturada para o pátio, mas há necessidade de reduzi-la ainda mais. Ou seja, o tipo de britador depende muito do processo específico daquela empresa”, explica Júlio Sabino.

Por conta dessa variedade, trouxemos abaixo pontos de atenção que são comuns a todos: mancais, rolamentos e redutores. Confira na sequência.

Mancais e rolamentos

Em um mesmo britador podem ser encontrados vários rolamentos. Por isso, esse é um dos sistemas que mais exigem cuidado da parte dos profissionais de manutenção, bem como os mancais. Cargas elevadas, extrema pressão e carga de choque são alguns dos fatores que os tornam tão delicados quando o assunto é lubrificação. As graxas industriais devem ser escolhidas com cuidado e, de acordo com os especialistas, o manual do fabricante segue sendo a principal fonte de informação.

Indicação dos especialistas

“Por conta das características da operação ― cargas elevadas, carga de choque e vibração intensa ― a adesividade da graxa aplicada deve ser excelente. Além da aditivação de extrema pressão”, indica Daniel Cruz. Por isso, a indicação do especialista fica por conta de uma graxa com base de complexo de lítio, um insumo muito mais robusto e que supre todas essas necessidades.

A PETRONAS Grease LiX EP 2/380 suporta a extrema pressão exercida sobre esses rolamentos e mancais. A graxa tem aditivos que proporcionam proteção contra a corrosão das superfícies, mesmo se houver contaminação por água, e também performa bem mesmo sob o calor operacional.

Redutores

Novamente, os impactos e cargas elevadas são fatores que podem resultar em desgastes severos nos redutores, levando ao micropitting. Este, inclusive, é um dos principais mecanismos de desgaste da indústria cimenteira. Portanto, ao escolher um lubrificante, é imprescindível perceber se ele oferece essa proteção. Um cuidado muito importante mencionado pelos especialistas é em relação à contaminação do lubrificante. Afinal, a poeira e outros detritos sólidos provenientes da quebra das rochas podem facilmente entrar em contato com o fluido e, assim, circular por todo o sistema.

Indicação dos especialistas

No portfólio PETRONAS para a indústria cimenteira, há dois produtos indicados e que são aprovados pelas principais OEMs. Próprio para os redutores e caixas de transmissão, o PETRONAS Gear MEP é um fluido premium, indicado para engrenagens. É formulado a partir de óleos básicos minerais de alta qualidade. O pacote de aditivos o torna uma solução para a utilização em trituradores cônicos, giratórios, de mandíbula, rolo ou impacto.

Já a linha PETRONAS Gear Syn PAO possui desempenho superior e foi criada para as mais variadas engrenagens fechadas. Sua composição conta com óleos sintéticos básicos de alto índice de viscosidade (PAO). Os lubrificantes são otimizados com aditivos inibidores de extrema pressão, antioxidantes, antiferrugem, antiespuma e antidesgaste.

Outros pontos de atenção: contaminação e relubrificação

Como você leu acima, a poeira presente no processo de britagem pode facilmente entrar em contato com os insumos utilizados na lubrificação. É claro que é impossível erradicá-la, mas isso não significa que o problema deva ser ignorado. Esse é um ponto bastante citado pelos especialistas técnicos da PETRONAS. Adotar estratégias de controle de contaminação é essencial para mitigar os danos ocasionados pelos ambientes empoeirados.

A relubrificação das peças também é um fator que exige atenção. Saber o momento, a quantidade e o local corretos para aplicação é essencial para evitar paradas não programadas. Esse é um assunto complexo e que depende das condições de trabalho das peças para determinar a frequência correta.

Porém, é importante também não aplicar graxa em excesso, especialmente nos rolamentos. Isso pode levar ao superaquecimento, degradação do material lubrificante e a perda da estabilidade mecânica.

Leia também: Mancais de esferas: como funciona a relubrificação dessas peças

Agora que você já sabe os principais pontos de atenção na manutenção de britadores, veja quais as principais orientações para os equipamentos envolvidos na produção de clínquer. Aproveite e cadastre-se na nossa lista exclusiva no Telegram. Lá você fica por dentro de todas as novidades do mercado industrial brasileiro em primeira mão.

Acompanhe o que há de novo na industria também pelo Telegram

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %