Estratégias de Custos

Gestão de custos: como implementar redução na crise

No mundo e, claro, também no Brasil, a siderurgia vem sofrendo bastante nos últimos anos com a sobrecapacidade global de ofertas. Assim, foi preciso que todas as indústrias buscassem otimizar seus processos. O objetivo, claro, estava em aumentar as margens e buscar competitividade no mercado de aço. Mas, para contribuir com a saúde financeira e reduzir gastos perante a crise, a gestão de custos é essencial.

Para você ter uma ideia, trouxemos dados do Instituto Aço Brasil. Em 2020, ano em que eclodiu a pandemia de Covid-19, foram produzidas 31,4 milhões de toneladas de aço bruto. Sendo, desses, 29,7 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos. Também, o país ficou como o 12º Exportador Mundial de Produtos Siderúrgicos, com 10,5 milhões de toneladas em exportações diretas.

Ainda, de acordo com uma entrevista do presidente do Instituto à Valor Econômico, o Brasil é a nona maior indústria de aço do mundo. Segundo o executivo, o setor está prevendo um novo ciclo de investimentos de US$ 8 bilhões, entre 2021 e 2025, para poder suprir a expansão do consumo no país.

Com mais verba entrando, é preciso ter um controle financeiro eficiente. E, para isso, a gestão de custos é uma excelente aliada. Saiba mais!

Profissional da Indústria 4.0

Gestão de custos na siderurgia: veja o que é e a sua importância

A gestão de custos abrange todos os gastos e investimentos necessários para que a indústria possa realizar as suas atividades e produzir. Basicamente, ela serve para direcionar o planejamento estratégico de um negócio. Assim, visa a entender, calcular e controlar valores como as despesas fixas, diretas, indiretas e muito mais. Por meio dessa gestão de custos é possível manter uma produção que permita ao negócio chegar a um preço final competitivo.

Infelizmente, esse é um assunto que nem todas as empresas dão a atenção necessária. Talvez por complexidade, falta de tecnologia ou, até mesmo, desconhecer os impactos negativos que a falta de gestão pode acarretar. Porém, diante do cenário que vivemos, ela é muito importante. E as indústrias que se mantêm consolidadas são as que possuem uma visão com base no custo gerencial. Assim, conseguem redirecionar processos para que a margem de contribuição continue estável ou cresça.

Já aqueles que não levam em conta a gestão de custos, poderão ter problemas. Negligenciar esse ponto pode fazer com que os gestores precisem tomar medidas drásticas, tanto para contenção de operação ou readequação de processos.

Infográfico Boas práticas da otimização de cotação de preços

Tipos de custos que uma siderúrgica pode ter

Assim como outras empresas, uma indústria siderúrgica pode ter quatro tipos de gastos. É muito importante conhecê-los para poder entender a gestão de custos. Você os confere na sequência.

  • Fixo e indireto: aqui entra a mão de obra indireta (como supervisores, gerentes e diretores). A mão de obra é um custo fixo. Porém, quando não está ligada diretamente à produção, se torna indireto, ou seja, é um valor mais difícil de determinar.
  • Fixo e direto: são itens que ao mesmo tempo são diretos (fáceis de serem mensurados) e fixos (que não se modificam), se observados a curto prazo. Como é o caso da mão de obra direta (MOD), que está estreitamente relacionada à produção.
  • Variável e indireto: são aqueles valores que, na maioria das vezes, são difíceis de alocar no produto final. Eles também variam de acordo com o volume de produção e venda. É o caso da energia elétrica aplicada na produção.
  • Variável direto: podemos citar, por exemplo, a matéria-prima. Ela é variável porque se não tiver produção e vendas, não haverá custo. E é direto porque é um dos itens mais fáceis de repassar para os produtos.
Guia: Melhores práticas da compra de lubrificantes

Como implementar a redução de custos na crise

Existem algumas ações que podem ser realizadas para pôr a gestão de custos em prática e, assim, diminuir os gastos na crise. Para este artigo, separamos 3 delas, como você vê a seguir.

1. Reduzir custos de mão de obra e de materiais

Reduzir gastos de mão de obra não significa demissão! Muito pelo contrário. É saber aproveitar 100% deles, melhorando a performance da sua equipe. Isso pode ser obtido por meio de treinamentos e, também, colocando os profissionais para realizarem as atividades em que se saem melhor. Dessa forma, eles ficarão motivados e poderão produzir mais em menos tempo.

Além disso, é possível reduzir gastos de materiais por meio de uma boa gestão. Os itens utilizados na fabricação e demais processos da siderúrgica devem ser adquiridos de forma otimizada. A dica é adotar uma filosofia lean para encontrar oportunidades de melhorias. Além disso, você deve encontrar parceiros e fornecedores com os melhores custos e qualidade.

Aproveite e leia também: [ENTREVISTA] GERDAU comenta importância da lubrificação na siderurgia e parceria estratégica com a PETRONAS.

2. Diminua os custos de manutenção

Com a chegada da Indústria 4.0, a tecnologia colocou em destaque os investimentos em manutenção em todas as áreas. E na siderurgia não seria diferente! As rotinas preventivas e preditivas são um processo crítico e que, muitas vezes, acaba sendo negligenciado. Assim, são lembrados apenas quando uma máquina entra em colapso, afetando a produção.

Por isso, é muito importante ter, também, uma gestão de manutenção, com um calendário de rotina de cuidados. Essa prática, com certeza, reduzirá gastos e, inclusive, aumentará a produtividade e a segurança dos colaboradores.

Leia mais sobre esse assunto no artigo: Investimento em manutenção industrial: como gestores devem encarar os seus custos.

3. Adote a economia circular

Tem como base repensar a forma de desenhar, produzir, vender produtos, assegurando o uso e recuperação inteligente de recursos naturais. Dessa maneira, acontece um aperfeiçoamento do sistema econômico atual. Isso vem com o objetivo de ter uma nova relação entre a utilização pelas pessoas e os recursos naturais.

A economia circular ocorre por meio de novos modelos de negócio e otimização na produção de produtos, com menos dependência de matéria-prima virgem. Assim, prioriza insumos mais duráveis, recicláveis e renováveis.

Para saber mais a respeito, leia: Economia circular na indústria: conheça essa tendência.

No artigo de hoje, explicamos um pouco sobre a gestão de custos e como ela pode reduzir os gastos da crise. Para mais materiais como este, continue acompanhando o portal Inovação Industrial. E para receber notícias sobre o setor em primeira mão, inscreva-se em nosso canal no Telegram.

Acompanhe o que há de novo na industria também pelo Telegram

Você também vai gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
0 %